segunda-feira, 20 de outubro de 2008

sobre a Morte - por Said Leoni

o suícida brinca com a Morte
como companheira de todo dia.
ele ri.
ele chora.
ele goza.
ele briga.
mas ninguém sabe ao fim
o quão importante era essa relação,
pois a Morte o engole
como spaguetti
sem lamber os beiços.

a grande questão, ou verdade(?)
(quem sou eu para saber)
é que a Morte é uma grande puta.
flerta com todo mundo:
com a criança na sacada,
com o jovem embriagado
e principalmente com os velhos,
aqueles mesmos,
que esquecemos nos asilos.
a Morte é puta
e o único que a ama sentimentalmente
é o pobre suícida,
que como prova de infinito amor
se entrega...
esperando apenas amor em troca.

2 comentários:

Athos DLocke disse...

É meu querido, tudo gira, até pomba... gira!

suicida sodomista disse...

ela dá o cú?